O áudio em segunda tela

loudness

Controle do Loudness é um tema que tem sido extremamente recorrente nos últimos anos da indústria de radiodifusão. Após um grande esforço de marcas e especialistas, e inúmeras palestras e workshops, finalmente parecia que todas as dúvidas sobre funcionamento de como controlar o nível percebido de áudio de uma transmissão estava resolvido… mas sempre há mais para se aprender.

Com o crescimento da preocupação com distribuição multi-plataforma e aplicações de segunda tela, outro problema do Loudness ficou aparente: como manter um nível confortável para um espectador que acessará o conteúdo de qualquer um das dezenas de milhares de dispositivos móveis disponíveis hoje no mercado? Explicar esta questão foi a missão de Mike Daskalopoulos da Linear Acoustic.

De acordo com o especialista, o grande desafio da produção deste tipo de conteúdo está em compreender que a arquitetura dos sistemas de som dos dispositivos móveis funciona de forma bastante diferente dos alto-falantes dos televisores e home theaters. “Devido ao tamanho diminuto, os dispositivos móveis possuem uma eficiência bastante reduzida com relação aos equipamentos com alto-falantes convencionais”, explicou.

Outro desafio é a quantidade de dispositivos disponíveis. Não dá para prever se o usuários estará consumindo conteúdo em um celular de grande porte, em um menor, em um tablet ou em seu notebook. E mais, se estará usando os falantes internos ou usando fones de ouvido. “Fora isso há os diferentes sistemas operacionais, como iOS, Android e Windows Mobile, cada um com codecs e formatos proprietários e bibliotecas de áudio funcionando de forma totalmente diferente”, explicou.

Após apresentar todos estes desafios, Daskalopoulos não trouxe exatamente uma solução, mas sim uma série de dicas de trabalho relevantes para o tema. “Primeiramente, é mais fácil trabalhar com o nível de Loudness do produto original mais baixo, como os -23 LKFS e depois adaptar para os volumes de dispositivos móveis, funciona melhor assim”, afirmou.

Outras dicas incluíram empacotar o áudio separado do vídeo e fazer mixagem de faixas de fala separadamente e antes de masterizar para o dispositivo móvel. “É preciso também conhecer bem os dispositivos, pois muitos deles fazem um processamento próprio de equalização, e é importante que o profissional de áudio saiba como as coisas soam melhor, não o fabricante de smartphone”, brincou.

2 pensamentos sobre “O áudio em segunda tela

  1. Creio que temos aí uma boa questão! E como podemos comprovar que a segunda tela é uma realidade, devemos disponibilizar conteúdo de áudio imersívo para este público também.

Deixe uma resposta para Luiz Agérico Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s