Transmissões via satélite analisadas em Porto Alegre

Palestrantes mostram  inclinação do mercado às transmissões de VOD, ao headend e às novas aplicações satelitais; manhã contou, ainda, com palestra sobre a integração da sala de controle mestre nas emissoras

vituli

Rubens Vituli (SES) no auditório da UniRitter em Porto Alegre (RS)

Rubens Vituli, diretor de negócios da SES na América Latina, falou das “Novas aplicações via satélite para broadcast” e disse que a empresa entende que não adianta pensar apenas nas transmissões via satélite convencionais. “O DNA da SES é o videobroadcast. Somos a primeira empresa de satélites da Europa e estamos completando 17 anos no Brasil e na América Latina, com mais de 300 canais e 19 satélites. Mas, já trabalhamos, também, com novas possibilidades”.

O SAT>IP é uma tecnologia que a SES está ajudando a fomentar. “É um equipamento que transforma o sinal, já na antena, em IP. Isso é uma grande vantagem porque elimina a necessidade de ter set-top-boxes em todos os pontos da casa, pode ser utilizado por iPad ou notebook conectados à internet”.

O headend in the sky é uma outra possibilidade apontada por Vituli. “É uma forma de colocar todos os sinais de satélite em um streaming único, via satélite. A Multi TV, em Boitúva, no interior de São Paulo, já oferece esse serviço de canais por meio de um único satélite da SES. Assim, você consegue vender canais lineares importantes com baixíssimo custo”, concluiu.

Na comunicação “A tecnologia de satélite acelerando a digitalização”, o diretor de vendas da Eutelsat, Ricardo Calderón, apresentou a experiência da companhia em outros mercados de tecnologia de distribuição de sinais digitais via satélite e afirmou que este “é um meio rápido e eficaz na implantação de redes de distribuição de televisão”.

cALDERON

O diretor de vendas da Eutelsat, Ricardo Calderón, apresentou a experiência da companhia

“O desafio é alcançar o switch-off com orçamento limitado. Temos que pensar em como evitar a exclusão digital antes do apagão e em como alocar o espectro a todos, além de alcançar locais de difícil acesso. A solução pode ser a distribuição de TV Digital por satélite. É uma solução de implantação rápida, de custo benefício viável e que fornece uma boa cobertura, além de independência de infraestrutura e fronteiras. O satélite pode ser manusear vários formatos, como o DVB-S/S2 e o BTS, com compatibilidade. Além disso, ele consegue alimentar distribuição Pay TV, uma necessidade cada dia maior dos clientes”, destacou.

Ivo

Juan Pizarro (Enesys) fala no SET Sul 2016

Raul Ivo Faller, sócio diretor da Youcast e engenheiro da Enesys, contou que a empresa em que trabalha desenvolveu um sistema para transmissão de conteúdos ISDB-T , em compatibilidade com o DVB-S/S2. “Respeitamos as disposições de redes SFN e os conteúdos formatados em MPEG-2 TS na interface aérea. Toda a sinalização BTS e a base de tempo estão inseridas em um PID, otimizam a banda satelital e proporcionam múltiplos usos a um link satelital entre as diferentes normativas”.

Faller abriu espaço para o colega espanhol Juan Pizarro, representante da Enesys, abordar as formas de monetização com conteúdos de televisão via satélite. “A maioria dos países, na América Latina, utilizam o padrão ISDB-Tb.  Com SFN, é possível ter o mesmo conteúdo, na mesma frequência e no mesmo tempo. Conteúdos relevantes são a chave para um bom engajamento da audiência e monetização com conteúdos”, defendeu o espanhol.

IMCR: A evolução da sala de controle mestre
A manhã desta quarta-feira, 1 de junho, no SET Sul 2016, contou, também, com uma palestra sobre a evolução da sala de controle mestre. O gerente de vendas da Harmonic, Hertz da Silva, falou da experiência da empresa no mercado com soluções integradas e explicou que o IMCR nada mais é do que integrar as antigas salas de master em uma única caixa. “A ideia é automatizar todo o processo. Antigamente, existia muito trabalho manual nas salas de controle master. Hoje, as coisas já estão bastante condensadas e automatizadas”.

“O IMCR começou com o conceito de channel in-a-box. Mas, o controle mestre integrado envolve capacidades de grafismo também, trazendo mais eficiência nos fluxos de trabalho de sua emissora. A Harmonic tem oferecido o controle mestre integrado em uma unidade de rack. O Master Control 3.0 é uma necessidade!”, finalizou o executivo.

Confirma a programação completa aqui:

DATA
O SET Sul acontece nos dias 31 de maio e 1º de junho de 2016.

HORÁRIOS
Das 9h às 18h.

LOCAL
Centro Universitário Ritter dos Reis/UniRitter, campus Zona Sul
Rua Orfanotrófio, 515. Alto Teresópolis
Porto Alegre (RS)

Por Gabriel Cortez e Fernando Moura (Porto Alegre). Fotos: Gabriel Cortez

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s